Pássaros Feridos
Tag "Resenhas de filmes"

Cinema: o que achei de La La Land?

La La Land - Cantando Estações

Com 14 indicações ao Oscar e 7 premiações no Globo de Ouro, não dá pra negar: La La Land já é um queridinho entre os críticos de cinema. Entretanto confesso que pisei na sala do cinema com muito receio de que fosse mais um musical exagerado demais ou infantilizado (lê-se: Disney), pensamento que fez com que eu quebrasse minha cara bem feio. E eu vou te contar o porquê.


Direção: Damien Chazelle
País/ano: Estados Unidos/2017
Gênero: Musical, romance
Duração 2h08min
Distribuidora: Paris Filmes
Elenco: Ryan Gosling, Emma Stone, John Legend
Nota: 4 Stars (4 / 5)

Sinopse: "Ao chegar em Los Angeles o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso."AdoroCinema


La La Land – Cantando Estações é um filme que conta sobre a história de Mia e Sebastian, duas pessoas que não se conhecem, mas que acabam unidas pelos sonhos que perseguem. Ela é uma atendente de café aspirante a atriz. Ele é um pianista ~flopado~ que quer ter seu próprio bar de jazz e impedir que o estilo musical morra. O longa não tem um roteiro muito complexo e já começa com uma canção bem alegre, colorida e ensaiada no meio do trânsito, o que imediatamente me lembrou um flash mob e já me fez ficar horrorizada, hahaha. Nada contra, mas isso é muito Se Ela Dança, Eu Danço e forçado. Acredito que essa foi uma das únicas coisas que eu realmente não gostei e me chocou logo de cara, mas acredite, 3 minutinhos já passou a dor. Mais rápido que fazer miojo.

O filme é dividido de acordo com as 4 estações do ano, e entre uma estação e outra alguns acontecimentos são omitidos. Esse esquema me lembrou o filme 500 Dias com Ela (2009), e eu achei um artifício bem legal de ter sido adotado, fator que dinamizou e impediu que o filme perdesse o ritmo e ficasse maçante.

La La Land - Cantando Estações

Como se trata de um musical, a trilha sonora precisa ser um dos fortes, e de fato é encantadora. As músicas originais grudam na cabeça que é uma beleza e ainda por cima mexem com seus sentimentos. E quando você percebe já está assim:

Junto com a coreografia, acredito que as músicas contribuíram demais nas sensações que o filme quis transmitir, e acredite, foram tantas que não sei nem explicar. Mas diria que foi um mix de coração quentinho, querer chorar de tão lindo e artístico. Tudo orna: as músicas, as danças, o figurino (dos anos 50/60) a paleta de cores… Sim! A paleta de cores! O azul predominante é profunda, serena e algumas vezes triste. As cores mais vivas e alegres, como vermelho e amarelo, servem de alívio e contrastam. Aposto que muitos de vocês não devem ter parado para pensar como as cores influenciam em nossa percepção (vocês podem ler mais sobre isso neste link).

Sobre as atuações: bom, ambos atores principais (Emma Stone e Ryan Goslin) com certeza provaram que são artistas completos, sabem interpretar, cantar e dançar tudo ao mesmo tempo, junto e misturado, sem prejudicar em nenhum dos pontos. E no caso do Ryan, talvez ele deve até ter aprendido a tocar piano/teclado pra convencer o público de que não era só "playback" hahaha. E olha, eu até confesso que não acho ele bonito, mas nesse filme juro que o charme dele me atingiu 😂.

O que dá um "quê" a mais nesse filme (em minha humilde opinião) é a quebra da linearidade temporal que há no final. Por um momento fui muito iludida e eu juro que tive vontade de chorar. Apesar de não ser uma história muito original, sem plots mirabolantes, esse filme é cativante demais, bonito demais. É a vida como ela é, com sonhos e paixões reais.

Acredito que muitos críticos devem ter se tocado ao ver La La Land por terem passado pelo mesmo processo de começar de baixo. Mas o filme também é um sucesso no coração do povo, pois ó, feels minha gente. Penso que o mundo precisa de mais filmes como esse! Assim, pessoas que não gostam tanto de musicais (sim, eu faço parte dessa população) descobrem novas experiências e saem da zona de conforto.

E nem preciso dizer que recomendo muito, né?

OBS: por favor respondam a pesquisa de público de 2017 do blog! Para acessar, clique aqui. Muito obrigada ❤

Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Assistidos recentes #1
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças

Filme: O Melhor de Mim

Confesso para vocês: tenho um pé atrás com obras do Nicholas Sparks e suas adaptações cinematográficas. Não pelo fato de ser do tipo romance meloso, até porque pessoalmente eu adoro, mas sim porque são...
Ler post completo