Pássaros Feridos

Resenha: O Teorema Katherine – John Green

Livro: O Teorema Katherine
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Fnac | Cultura | Curitiba
Nota: 4.5 Stars (4.5 / 5)
Sinopse: "Colin conhece Katherine. Katherine gosta de Colin. Colin e Katherine namoram. Katherine termina com Colin. É sempre assim. Após seu mais recente e traumático pé na bunda, o Colin que só namora Katherines resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, com pura matemática, o desfecho de qualquer relacionamento. Uma descoberta que vai entrar para a história, elevando Colin Singleton diretamente ao distinto ponto de gênio da humanidade. E também, é claro, vai ajuda-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera." Site oficial


O Teorema Katherine é o terceiro livro do autor John Green a ser traduzido no Brasil. Após a "boom" de A Culpa é das Estrelas, obviamente não poderia deixar de conferir mais essa novidade.

O livro conta a história de Collin Singleton, um garoto prodígio com um vício em anagramas e fascínio por Katherines. Após o término com a Katherine XIX e de muito drama de sua parte, ele e seu melhor amigo Hassan, um muçulmano muito humorado, resolvem viajar. O destino? A cidade de Gutshot, no Tenessee, já que queriam tanto visitar o túmulo do arquiduque Francisco Ferdinando.

Nessa brincadeira, acabam conhecendo Lindsey Lee Wells, que é a encarregada de ser a guia do passeio. Entretanto, a proximidade entre Collin, Hassan e ela acaba se fortalecendo, já que resolvem se estabelecer na cidade, na casa peculiar cor-de-rosa de Lindsey e sua mãe Hollis. Para ajudar, terminam trabalhando num lugar um tanto quanto peculiar: uma fábrica barbantes para absorventes internos. Pois é.

No decorrer do livro, Collin bate de frente com sua situação de ser um prodígio e de ainda não ter se tornado um gênio. Mas acaba tendo seu momento eureca e chega no Teorema da Fundamentação da Previsibilidade das Katherines, talvez podendo servir de ponte para seu status tão cobiçado.

O que achei mais interessante do livro é que John Green acaba sendo muito didático e filosófico com um simples romance. O livro possui curiosidades e gráficos, que acaba sendo muito diferente do que somos acostumados ler. Além de tudo isso, os subtítulos do dos capítulos são muito humorados e te fazem pensar bastante. Aliás, todo o livro é assim.

Não preciso pensar duas vezes: a obra está mais do que recomendada!

Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças
Cinema: o que achei de La La Land?