Pássaros Feridos

Resenha: O Quarto Dia, de Sarah Lotz

O Quarto Dia - Sarah Lotz

Livro: O Quarto Dia
Autor(a): Sarah Lotz
Gênero: Terror
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Onde comprar: Saraiva | Submarino | FNAC | Cultura
Nota: 4 Stars (4 / 5)

Sinopse: "Janeiro de 2017. Após cinco dias desaparecido, o navio O Belo Sonhador é encontrado à deriva no golfo do México. Poderia ser só mais um caso de falha de comunicação e pane mecânica… se não fosse por um detalhe: não há uma pessoa viva sequer no cruzeiro. As autoridades acham indícios de uma epidemia de norovírus, mas apenas descobrem os corpos de duas passageiras. Para piorar, todos os registros e gravações de bordo sofreram danos irreparáveis. Como milhares de pessoas podem ter sumido sem deixar rastro? Teorias da conspiração se alastram, mas só há uma certeza: 2.962 passageiros e tripulantes simplesmente desapareceram no mar do Caribe."Arqueiro


O Quarto Dia é o segundo livro de uma série escrita pela autora Sarah Lotz, sendo o primeiro chamado Os Três. Solicitei este livro em parceria com a Arqueiro, mesmo sem ter lido o anterior por motivos de: estava muito ansiosa para descobrir qual seria as sensações que sentiria lendo uma obra de terror, já que nunca havia tido experiência com o gênero antes. Posso dizer que se você estiver pensando em fazer o mesmo que fiz, pode ir tranquilamente, pois os dois volumes não são dependentes e não possuem uma conexão forte. Dá para entender toda a narrativa 🙂 .

O Quarto Dia - Sarah Lotz

O palco escolhido para essa história é o navio chamado Belo Sonhador, durante um cruzeiro do ano novo de 2017. Há quase 3 mil pessoas à bordo, e entre elas 7 são os que se destacam pelo fato de possuírem capítulos intercalados narrados pelo seus respectivos pontos de vista. No começo pode parecer meio confuso e difícil de acompanhar, mas cada capítulo tem título intuitivo e já dá ideia de qual ponto de vista iremos conferir a seguir. Além disso a narrativa de Sarah Lotz é tão fluida que logo você já está doido para descobrir como é que um navio conseguiu ficar à deriva e isolado de contato com o mundo, no meio do golfo do México.

Os três primeiros dias são basicamente para conhecermos cada um dos 7 personagens e um pouco de suas vidas. Todos eles possuem características bem marcantes e que definem muito bem cada personalidade. Em minha opinião, Sarah Lotz soube muito bem como explorar cada um, e ainda foi mais além, pois soube definir muito bem os personagens secundários relacionados. Acredito que tal coisa seja difícil para escritores iniciantes, principalmente considerando a quantidade de personagens a serem construídos.

No quarto dia coisas estranhas sobrenaturais começam a acontecer, e é quando tudo começa a ficar cada vez mais interessante. Em alguns momentos a autora nos deixa sem detalhes de alguns acontecimentos, o que torna a trama mais assustadora e arrepiante.

O Quarto Dia - Sarah Lotz

Minha expectativa de antes de iniciar a leitura não era alta, mas quanto mais lia, mas acreditava que este seria um livro para se lembrar. Até finalmente terminar a última página. Acredito que como uma primeira experiência com o gênero terror a obra foi uma boa escolha, já que no meio do enredo eu realmente senti uns calafrios subindo pela espinha. Entretanto achei que o fim do livro foi um pouco decepcionante, faltou construção, sabe? Ainda assim ressalto que foi uma boa experiência, pois para mim o que conta são as emoções que uma história consegue me despertar 🙂 .

Dizem que não devemos julgar um livro pela capa, mas confesso que este teve um poder decisivo em minha escolha, hahah. A arte com o navio iluminado no meio da imensidão azul escura atraiu meus olhos de um jeito que não teve jeito. Outro aspecto estético interessante é que as laterais das páginas são azuis <3 Ah, o livro não conta com orelhas, o que me estranhei um pouco, mas para mim não é um grande diferencial. A leitura está recomendada para quem gosta ou quer conhecer um pouco sobre o gênero terror!

Resenha: Olho por Olho, de Jenny Han e Siobhan Vivian
Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças

1 comentário
  • Emy

    Eu gosto desse gênero e ainda não conhecia a autora. Recentemente li "em águas sombrias" da Paula Hawkins, que também usou vários personagens para narrar os capítulos. Realmente de inicio é bem confuso para se habituar.

    Coloquei esse livro na minha lista de desejados 😀

    Beijos de luz ♥

    Responder