Pássaros Feridos

Resenha: Legend – A Verdade Se Tornará Lenda, de Marie Lu

Livro: Legend – a Verdade Se Tornará Lenda
Autor: Marie Lu
Editora: Prumo
Páginas: 256
ISBN: 9788579272097
Onde comprar: Saraiva | Submarino | FNAC
Nota: 5 Stars (5 / 5) +
Sinopse: "A Verdade Se Tornará Lenda – Ambientado na cidade de Los Angeles em 2130 D.C., na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda. O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos." – Skoob


Faz quase um dia que terminei este livro e só posso dizer que: ainda estou sem ar. Legend é um livro maravilhoso, cheio de ação, do começo ao fim. A cada página eu me sentia na obrigação de buscar saber mais e mais, e cada capítulo era mais um tapa bem forte na cara. De verdade gente, esse livro é só surpresas.

Legend dá-se numa Los Angeles futurística, parecido com o livro Divergente (só que este acontece em Chicago). A paisagem é repleta de ruínas, além de ter boa parte submersa e muitos escombros. Pode-se dizer que há duas classes: a dos "ricos" e a dos "pobres". E basicamente o que vai determinar sua classe é um teste que as crianças desta sociedade fazem aos 10 anos de idade. Este teste avalia sua inteligência e aptidão física, valendo 1500 pontos o total. Se você tirar menos que 1000 pontos… Bom, está bem encrencado. Não vai entrar na faculdade e será enviado aos campos para trabalhar para a República, que é comandada pela figura que no livro chamam de Eleitor.

Daí entra June, uma garota de 15 anos prodígio que foi a única a conseguir 1500 pontos em seu teste. Não só uma, mas duas vezes, já que os fiscais desconfiaram desta façanha. Então ela entra numa ótima faculdade e se destaca entre os demais, o que a faz se formar mais cedo. June não possui pais, eles morreram num acidente de carro quando ela era muito nova. Só tem seu irmão, que por sinal a ama muito e cuidou no lugar de seus falecidos pais.

Também temos Day, um garoto de 15 anos beijoqueiro super procurado pelos militares. Ele já fez todo tipo de crime, desde roubos até destruição de aviões da República. Menos matar alguém. Ele nunca faz isso. Day tem uma família muito humilde, composta pela sua mãe e dois irmãos. Seu pai morreu quando era criança, e só o que ele tem de lembrança é um medalhão dourado simples. Sua família pensa que Day está morto, mas somente seu irmão mais velho, John, sabe que ele está, na verdade, bem vivo. E muitos de seus crimes são para ajudar sua família.

Em determinado momento do livro, as vidas de June e Day se cruzam. Metias (irmão de June) é assassinado e tudo leva a crer que Day é o responsável. Ela é tomada pelo sentimento de vingança, e, sob as ordens do exército para quem trabalha, vai à procura do criminoso. E quem procura acha né? Eles se cruzam e se conhecem, mas a princípio não sabem quem realmente são. E daí é só escândalo atrás de outro. Afinal, estamos falando de uma distopia né? Os personagens se encontram num sistema falho e corrupto, e se sentem na obrigação de combater isso.

Eu simplesmente adorei as personalidades dos personagens. June é uma garota forte que segue seus ideais, enquanto Day é um garoto sofrido, mas que se importa com todos. Os outros personagens, apesar de serem poucos, não ficam para trás. Não contarei aqui porque senão não sobra tanta surpresa pra vocês, haha.

Legend é uma das distopias modernas que foram lançadas nesse boom que aconteceu desde Jogos Vorazes. E na minha sincera opinião, é melhor do que muitas delas. Achei meio semelhante à Divergente, só que até agora, preferi Legend. E olha que li a trilogia toda de Divergente, e a adoro. Sei que sou meio suspeita pra falar de distopia, porque eu realmente não escondo de amo o gênero.

Sobre a diagramação do livro eu só tenho elogios. Os capítulos são alternados entre a visão de Day e June, sendo que, pra cada personagem, há um estilo tipográfico diferente. A princípio eu achei meio estranho, mas no final acabou me dando uma experiência diferente, que com certeza ficou mais rica também. As margens das folhas são decoradas com névoas escuras, o que totalmente me remete à ideia de algo em ruínas e distopias. Achei simplesmente genial.

Estou louca pra acompanhar a continuação. O segundo livro – Prodigy – lançou há pouco tempo, e assim que eu ver ele em precinho bacana, tenho certeza que comprarei <3 Nem preciso dizer que recomendo a leitura né? Principalmente se você for fã das distopias!

Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças
Cinema: o que achei de La La Land?

3 comentários
  • Anna

    Nossa, parece ser muito bom mesmo!! Vou ler!

    bananna-pancakes.blogspot.com

    Responder
  • Jessica Karoline

    Só com essa sinopse e com sua descrição a respeito do livro, já fiquei apaixonada e querendo ler. Ainda não li Divergente/Jogos Vorazes, mas já assisti os filmes e gostei bastante da história, a história deste parece ser bem interessante e já entrou na minha lista do "para comprar em um futuro bem próximo". hahha

    Beijos, Hi, Karoline!

    Responder
  • Nina

    Super adorei a recomendação! Eu já li Divergente, mas a Tris me irritou demais e eu não quis continuar a trilogia, mas esse, só pela resenha, só me deixou sem ar, hahaha. Quero muito *-*

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    Responder