Pássaros Feridos

Resenha: A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista – Jennifer E. Smith

Livro: A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista
Autor: Jennifer E. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 224
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Fnac | Cultura | Curitiba
Nota: 3 Stars (3 / 5)
Sinopse: "Com uma certa atmosfera de Um dia, mas voltado para o público jovem adulto, A probabilidade estatística do amor à primeira vista é uma história romântica, capaz de conquistar fãs de todas as idades. Quem imaginaria que quatro minutos poderiam mudar a vida de alguém? Mas é exatamente o que acontece com Hadley. Presa no aeroporto em Nova York, esperando outro voo depois de perder o seu, ela conhece Oliver. Um britânico fofo, que se senta a seu lado na viagem para Londres. Enquanto conversam sobre tudo, eles provam que o tempo é, sim, muito, muito relativo. Passada em apenas 24 horas, a história de Oliver e Hadley mostra que o amor, diferentemente das bagagens, jamais se extravia." – Skoob


Pequenos imprevistos não paravam de surgir na vida de Hadley no dia em que iria pegar um voo para outro país. Desde perder o carregador do celular até pegar trânsito no caminho para o aeroporto. Estava quatro minutos atrasada quando chegou no local e percebeu que havia perdido a chamada. Quer dizer, desde quando aviões partem na hora certa? Secretamente, ela desejava que algo do tipo acontecesse.

E foi assim, com todos os imprevistos, que Hadley acaba conhecendo o amor de sua vida. Qual a probabilidade disso acontecer?

A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista nos convida a acreditar um pouco no destino. Com uma narrativa simples e bem leve, o narrador conta um pouco da vida de Hadley, uma estadunidense jovem que possui claustrofobia e alguns problemas familiares. Hadley tinha Londres como seu destino, afim de presenciar o casamento de seu pai com a britânica — apelido que havia dado à sua futura madrasta. Não estava muito empolgada, e tinha ido mais por obrigação.

Após perder seu voo, ela conhece Oliver, um garoto inglês muito misterioso que estuda em Yale, e que também estava viajando para um casamento. Coincidentemente, eles conseguem assentos muito próximos no avião, e assim começam a se conhecer. Compartilham muitas coisas: assuntos familiares, medos e outras aventuras. Coisas que normalmente não faríamos com um estranho.

É isso que se faz em aviões. Você divide um apoio de braço com uma pessoa por algumas horas; troca histórias sobre sua vida, conta uma coisa ou outra, talvez uma piada. Comenta sobre o tempo e sobre a comida, que está ruim. Escuta o outro roncando. E, depois, diz adeus.

Confesso que fui atraída pelo livro por conta de sua belíssima capa e pelas ótimas avaliações que vi de amigos no Skoob. Inclusive, o interesse foi tanto que não aguentei esperar para comprar e o li em e-Book. Fiquei um pouco decepcionada, pois acreditei que atrairia muito mais minha atenção, mas achei a obra um tanto quanto clichê e muito previsível. Estava muito descrente no livro quando cheguei aos seus momentos finais, entretanto, seu final, repleto de frases marcantes, me surpreendeu e rendeu sorrisos.

Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças
Cinema: o que achei de La La Land?

2 comentários
  • Larissa

    Posha vida, eu lendo e pensando que seria um ótimo presente pra minha irmã que curte um romance mas né, assim tão clichê como diz ela não curtiria xD
    Mas a resenha esta ótima, parabéns =D

    Responder
    • Cristiane

      Oi @Larissa!

      Bom, eu diria que o enredo desse livro poderia ser pensado por qualquer pessoa, hahaha. Entretanto, não deixa de ser uma boa distração. Se sua irmã gosta de romances assim, eu indicaria 🙂 E muito obrigada!

      Beijos!

      Responder