Pássaros Feridos

Resenha: A Menina que Colecionava Borboletas, de Bruna Vieira

Livro: A Menina que Colecionava Borboletas
Autor: Bruna Vieira
Editora: Editora Gutenberg
Páginas: 152
ISBN: 9788582351222
Onde comprar: Saraiva | Submarino | FNAC | Cultura
Nota: 5 Stars (5 / 5) +
Sinopse: "Bruna Vieira está cada vez mais longe dos quinze, e sabe que crescer nunca é tão simples. Considerada uma das blogueiras mais influentes do mundo, mais uma vez ela dá vazão ao seu talento como escritora com este seu novo livro de crônicas e pensamentos, em que mostra o quanto amadurecer e conquistar a independência é maravilhoso, mas tem seus desafios e poréns. A garota do interior que usa batom vermelho e que realizou seus maiores sonhos continua inspirando adolescentes de todo o país. Para ela, as páginas deste livro significam o bater de asas das borboletas que colecionou dentro do peito por algum tempo e que agora, finalmente, pode deixar que voem livres por aí." – Skoob


Enrolei para começar a ler os livros da Bruna Vieira, mas comecei! Engraçado é que eu iniciei pelo último livro publicado pela autora até então, porque fui burra e não pensei em colocar o primeiro livro dela na lista da Maratona Literária. Eu queria mesmo é ler em ordem "cronológica" pra acompanhar o desenvolvimento da escrita dela, que, com certeza, melhorou muito ao longo do tempo. Digo isso porque também sou leitora fiel e antiga do Depois dos Quinze, o blog da Bruna. Adoro!

A Menina que Colecionava Borboletas é um livro repleto de contos, uns baseados na vida da autora e outros não, acredito eu. Com certeza eu me senti "um pouco mais íntima" dela a partir dessas poucas e gostosas 152 páginas, sem contar que me identifiquei com muitas das passagens. Acredito que as garotas que leram o livro também se identificaram, até porque acho que, no final, todas nós também passamos por situações parecidas e pensamos em coisas parecidas em algum momento de nossas vidas.

É incrível como a Bruna Vieira consegue transformar momentos tão simples em frases e trechos tão marcantes. Eu posso dizer que fiquei com vontade de marcar o livro todo de grifa-texto (assim como faço com meus xerox da faculdade), se eu fosse esse tipo de louca assassina com meus livros, hahaha. Enfim, fiquei com muita vontade de colar meus post-it em todas as páginas, e só não fiz isso porque eles acabariam e o livro ficaria todo estranho marcado.

Eu preciso dizer que essa capa é uma das mais lindas que já vi por aí. Até andei cogitando a possibilidade de contatar a ilustradora pra ver se ela toparia fazer alguma ilustração para o blog, de tanto que gostei. Entre alguns contos também há ilustrações com pequenas citações, que ganharam meu coração. Além disso, o livro possui páginas amareladas confortáveis pra ler, fonte grande e margens ideais para a leitura.

Como esta resenha faz parte da Maratona Literária, tenho que escolher a trilha para o livro. A música escolhida foi Fake Plastic Trees, do Radiohead, que inclusive é uma das sugestões de acompanhamento de leitura que tem no final do livro.


É minha primeira resenha de um livro de crônicas, então sejam maleáveis comigo, hahaha. Achei meio complicado falar sobre a obra, até porque depende muito do gosto pessoal de cada um. De qualquer modo, não tem muito mistério: são crônicas, e, portanto, discutem sobre coisas cotidianas, de um jeito especial e que vão te tocar de alguma forma.

Se você já é leitor do Depois dos Quinze e gosta das crônicas de lá, com certeza vai gostar do conteúdo do A Menina que Colecionava Borboletas. Inclusive esse foi o motivo principal que me fez adquirir o livro. Se você não está familiarizado, sugiro que dê uma olhadinha lá pra ver se gosta 😉 . De qualquer modo, eu recomendo muito, e até vou deixar ele na minha cabeceira pra ler de vez em quando, porque serve de inspiração pra escrever, hahaha.

Resenha: O Livro dos Espelhos, de E. O. Chirovici
Resenha: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática, de Thalita Rebouças
Cinema: o que achei de La La Land?

1 comentário
  • Natália

    Nunca li nada de Bruna Vieira, nem nenhum livro de crônicas, mas este fez tanto sucesso que até cogitei a ler. 🙂

    Beijos! || ape56.blogspot.com

    Responder