2 comentários

Resenha: A Seleção, de Kiera Cass

em Livros, Resenhas

Ler a trilogia A Seleção era algo que sempre tive vontade desde seu lançamento, porque simplesmente amo distopias. Acontece que acabei enrolado por um bom tempo. Gosto de esperar o preço dos livros abaixarem um pouco. Na época estava uns 30 reais e eu estava tentando evitar aquele impulso de sair comprando tudo o que queria, mas no mês passado a trilogia estava com um desconto único na Saraiva, e daí resolvi acabar com a espera. Além disso, li diversas resenhas com muitos elogios, e choveu comentário de gente me falando pra lê-los logo quando postei esta e esta foto no meu Instagram. E realmente, agora posso concordar com eles: a trilogia é maravilhosa <3

O primeiro livro – título pelo qual conhecemos a saga – nos apresenta America Singer, uma garota que mora num país monárquico chamado Illéa. Neste país a sociedade é dívida em castas, numeradas de 1 a 8. Quanto menor seu número, maior seu “status” perante a sociedade. Significava que teria oportunidades melhores de emprego e ganharia mais dinheiro. Entretanto, America e sua família não faziam parte desta situação. Pertenciam a uma casta cinco, porque seu pai, quando casou com sua mãe, era um cinco. E permanece a casta do homem, não importando se a mulher é uma oito ou um. Por serem cinco, um dos empregos que eles podem ter são relacionados a arte. America, por exemplo, é uma ótima musicista. Toca piano, violino, e ainda canta. Com seus talentos, ela ajuda no sustento da sua família. Até que um dia ela recebe a oportunidade de participar da Seleção.

Participar da Seleção é algo que estava fora de cogitação para America. Até porque havia alguém fora que fazia seu coração bater mais forte. E este garoto se chamava Aspen. Aspen pertence a uma casta seis, logo seria muito difícil a aprovação de seus pais no relacionamento. Então o jeito era manter tudo às escondidas. Eu simplesmente me encantei com ele no começo, como ele demonstrava amar America e faria de tudo para ficarem juntos. Mesmo assim, ele (fora sua família) acabou influenciando-a participar do evento, e aconteceu. Ela foi selecionada.

Mas o que é A Seleção? É uma espécie de reality show onde 35 garotas de todas as castas são selecionadas para disputar a coroa de princesa, e também do coração do príncipe. Nesta edição, temos o príncipe Maxon, e todas aquelas outras 34 garotas pareciam estar lutando por estes prêmios. America não entra, a princípio, para lutar pelo coração de Maxon. Até porque Aspen estava lá fora. Mas tem um início super divertido com ele no concurso, e tornam-se bons amigos. Porém, ao decorrer do livro, você vai soltar muitos sorrisinhos maliciosos do tipo “hummm… esses dois aí não vão ser só amigos não”.

— Maxon, espero que encontre uma pessoa sem a qual não possa viver. Espero muito. E desejo que nunca precise saber como é tentar viver sem ela.

Eu preciso dizer que algumas vezes America me deu nos nervos, porque se tem uma coisa que ela é, é orgulhosa e impulsiva. E de certo modo, irritante. Mas aos poucos minha raiva foi diminuindo, e acabou conseguindo minha simpatia. Enquanto isso, Maxon faz realmente o tipo príncipe e se porta realmente como um, em todos os momentos. Ao longo do livro, eram só suspiros por ele.

Recomendo o livro principalmente para quem gosta de distopias e de um bom romance. Entretanto, já aviso que o livro “não é tão distópico assim”. É claro que a política do Pão e Circo é bem visível, há injustiças por conta das divisões sociais e o reality show como forma de distrair as desigualdades. Mas o ênfase vai no romance e no concurso que a autora tenta construir no primeiro livro.

Já terminei o último livro da trilogia (A Escolha), e logo trago as próximas resenhas :heart: .

1 comentário

Dica de App: Click Serendipity

em Dicas, Fotografia, Tecnologia

O Click Serendipity é um app de fotografia super fofinho desenvolvido pela Nostalgika, em parceria com a Melina Souza, do Blog Serendipity (antigo A Series of Serendipity). Vocês conhecem o app Lumiè e Cine Lumiè? A mesma empresa também foi a desenvolvedora desses aplicativos ótimos, e com certeza quem gosta deles vai adorar o Click Serendipity também.

O primeiro passo é escolher ou tirar a foto que deseja usar, e ajustá-la. Se o formato da foto for retangular, dá para encaixar dentro de um quadrado e alterar o fundo com cores diferentes.

Tem diversos “carimbos” de ilustrações muito fofinhas para decorar nas fotos. Eu acho que esse é o ponto forte do app <3

São 7 filtros disponíveis no Click Serendipity. São bem poucos, mas acredito que esse não é o foco dele. Apesar disso, quebram um galho enorme.

Dá para escrever em cima das fotos, e as fontes são muito amor <3 É possível fazer uma combinação legal entre elas!

Mais ilustrações! Este são com algumas frases para combinar com certas ocasiões, tipo look do dia, leitura da vez, foto do café da manhã… Dá para mudar a cor, o tamanho e ângulo também!

Algumas molduras que estão disponíveis no app. São 15 no total. Pessoalmente, não gosto muito, mas o legal é que dá para ajustar a opacidade dela, daí não fica tão exagerado assim. Também dá para trocar de cor!

Fiz uma edição bem rapidinha para mostrar para vocês. Usei o filtro Candy Party, adicionei o carimbo de cereja e escrevi com as fontes Amatic SC e Learning Curve Pro <3

O melhor de tudo é que hoje o app está gratuito na App Store e no Google Play! Mas depois disso, os valores são USD1,99 e R$3,85, respectivamente.

6 comentários

Diário de Viagem: Resort em Foz do Iguaçu

em Viagens

Faz algumas semanas que voltei de viagem de Foz do Iguaçu, mas não tinha liberado os posts da minha experiência, até porque não sabia direito como escrever, hahaha. Escrever sobre viagens está sendo uma coisa inédita tanto aqui no blog, quanto na minha vida blogueira inteira! Só que mesmo assim resolvi insistir em compartilhar tudo, vai que serve de apoio e motivação quando for a vez de vocês, não é mesmo?

Minha viagem começou no dia 6 de julho, e terminou no dia 11 do mesmo mês (bem que eu queria estender por mais alguns meses). Eu e minha família ficamos hospedados num resort chamado Mabu Thermas Grand Resort, que é um lugar bem gostoso para passar as férias. Lá tem piscinas termais, e mesmo eu ter tido o azar de pegar uma semana fria no local, deu tudo certo porque as águas eram bem quentinhas <3 O único problema era entrar/sair :( .

Além de piscinas termais, deu para aproveitar as saunas úmida e seca. Nas portas do local tem uma placa com os benefícios que adotar a prática podem te dar, e com certeza senti uma diferença absurda na minha pele, logo de cara. É difícil aguentar ficar lá dentro, mas é super relaxante. Com certeza indico pra quem for passar por lá ;) . Também tinha atividades diárias, como hidroginástica, caminhadas, alongamentos, spa, arco e flecha... A maioria delas é gratuita, e não há taxas extras. Atividade pra fazer é o que não falta. Porém eu optei por fazer mais atividades na cidade e em outros locais por perto de Foz, que é o mais indicado. Afinal, a cidade é turística, né?

Fazer refeições no resort é super caro e não recomendo a ninguém. Se não me engano, chegava a ultrapassar R$70,00 cada refeição por pessoa, coisa que nunca compensaria para mim, já que tenho estômago de passarinho. Então o jeito foi procurar alguns lugares na cidade, e dois lugares que visitei e adorei foi o Trigo & Cia Panificadora (que não é só padaria, tem massas em geral e pratos feitos ótimos) e o Sushi Hokkai. O atendimento do Trigo & Cia é exageradamente demorado, mas a comida estava ótima, então não liguei tanto. Pedi um lamen no Sushi Hokkai, até porque posso comer sushi e outros pratos orientais qualquer hora, porque né? Hahaha. Estava uma delícia <3

Como é normal na maioria dos resorts e hotéis, o café da manhã estava incluso e tinha opções muito variadas. Só achei que algumas frutas estavam super azedas ou sem gosto (kiwi e melão, frutas que amo), e o meu cereal preferido só teve no meu primeiro dia de hospedagem. Nos outros dias, eu e toda família comemos no Shopping Cataratas JL porque sempre rolava aquela vontade de comer coisas diferentes do outro, e lá na praça de alimentação tinha várias opções.

E já era época de copa, o jeito foi assistir o jogo no próprio resort. O legal é que o hotel tinha colocado telão perto das piscinas no dia do jogo do Brasil x Alemanha, serviram pipoca e pintaram todos de verde e amarelo <3 Mas infelizmente foi humilhante passar meia hora do primeiro tempo com 7 gols hahaha. Quanto mais gols, mais as pessoas estavam indo embora. Porém foi bem legal saber que até mesmo alguns gringos (incluindo argentinos) estavam do nosso lado. E olha, eles são super simpáticos. Até arrisquei no meu espanhol fajuto!

Não tirei muitas fotos do resort porque né, sempre rola aquela insegurança da câmera nova perto de água HAHAHA.

O primeiro Diário de Viagem termina por aqui, mas mais tarde trago outro post com minha experiência na Argentina e as minhas comprinhas <3